ABPS

Conflito de gerações nos novos tempos 06 ago

Conflito de gerações nos novos tempos

conflito de gerações

O conflito de gerações é um fenômeno global, causado pelo choque entre  comportamentos de  grupos de pessoas que nasceram em épocas distintas.

Cada grupo tem o seu comportamento fortemente influenciado pelo contexto da época em que nasceram e cresceram.  

Assim, essas formas diferentes de enxergar o mundo interferem nos relacionamentos e, muitas vezes, levam a sérios atritos.

Mas por que esse gap de gerações acontece?

Sabemos que o conflito de gerações sempre existiu, porém tem se acentuado nas últimas décadas devido à globalização e ao avanço acelerado da tecnologia.

Assim, para entendermos o mundo como ele é hoje, é importante conhecer as razões que levaram um grupo de pessoas a agirem de determinada forma.

A seguir, trazemos um breve perfil de cada geração. No entanto, é importante destacar que essa divisão de períodos é estimada e vem diminuindo nas últimas décadas:

Geração Baby Boomers: nascidos entre 1940 e 1960

conflito de gerações

Nascidos em um período de grande instabilidade política e econômica, durante e depois da segunda guerra mundial, os baby boomers buscam segurança e equilíbrio. Valorizam  e  prezam muito  o  trabalho e têm  preocupações com o futuro da família.

Fizeram carreira longa em uma mesma empresa e muitos possuem cargos de alta liderança hoje em dia, concentrando boa parte da riqueza mundial.

A estrutura familiar segue o modelo tradicional: casal hétero com filhos.

Uma geração idealista e com espírito coletivo, responsável por iniciar lutas e conquistar direitos civis e políticos.

Nasceram em um mundo bem menos acelerado do que o atual, por isso, são mais resistentes a mudanças.

Geração X: nascidos entre 1960 e 1980

A geração X preserva ainda muitas características da geração anterior, como a segurança e estabilidade na carreira.

Ainda, por terem crescido no período da ditadura militar, no Brasil, preservam o espírito de luta e busca pela liberdade de expressão, igualdade de direitos e resistência à ditadura.

Nesse período, a família passa por transformações mais rápidas com o ingresso das mulheres no mercado de trabalho.

Em consequência disso,  aumenta o número de divórcios, posto que a mulher já não depende economicamente do marido.

 

Geração Y (millennials): nascidos entre 1980 e 1995

Nasceram em tempos de grandes transformações com surgimento da internet, a redemocratização e instabilidade econômica e política.

Por esse motivo, lidam melhor com as adversidades econômicas. Não se apegam às empresas e mudam facilmente de emprego.

Esses fatores propiciaram o surgimento de profissionais criativos, inovadores e movidos a desafios.

Os millennials, por serem uma geração intermediária, transitam  bem entre as gerações X e Z, servindo de referência para os mais jovens, e de estímulo para os mais velhos.

Por questões econômicas e por terem crescido num ambiente mais permissivo, boa parte deles fica morando mais tempo na casa dos pais.

Diferente das gerações passadas, as famílias já não seguem o modelo tradicional.

Muitas são formadas por pessoas do mesmo sexo e desfrutam a liberdade de decidir de que modo querem viver. Se querem ou não se casar e ter filhos, e outras questões pessoais.

Geração Z: nascidos entre 1995 e 2010

Conflito de gerações

A geração Z não conhece o mundo sem a internet e lida perfeitamente com as tecnologias avançadas. Mesmo porque, muitos deles são os criadores desta mesma tecnologia.

Sendo assim, são muito ágeis, multitarefas e capazes de absorver uma grande quantidade de informações, pois vivem na era  da explosão de dados.

De identidade livre, possuem uma visão questionadora. São engajados com questões ambientais, sociais e políticas. Avessos a rótulos, são defensores da liberdade e da diversidade.

Usam a internet como ferramenta de militância política e social e como um poderoso meio de alcançar seguidores.

No entanto, este mesmo meio, em muitos casos, tem afetado a saúde mental, por incitar um estilo de vida ilusório e difícil de ser alcançado, gerando muitos casos de depressão e ansiedade.

 

Geração Alpha: nascidos a partir de 2010

Ainda existem poucos estudos sobre essa geração tão jovem.

Contudo, é certo que são usuários das redes sociais  e nasceram em um período de polarização política e recessão econômica, no Brasil.

Tendem a ser mais livres ainda que a geração anterior com relação a sua identidade.

Sendo assim, ainda é cedo para saber que efeitos isso tudo trará para o comportamento dessa geração no futuro.

Por fim, é importante destacar que os comportamentos se misturam, como por exemplo:

Os nascidos no início de uma geração, sofrem influência da geração anterior. Assim como os nascidos no fim de uma geração, sofrem influência da geração seguinte.

E mais, essas divisões geracionais são apenas tendências que caracterizam grande parte de um grupo, mas, evidentemente, existem muitas exceções.

Fatores sociais, econômicos e culturais têm feito várias gerações atuarem juntas no ambiente de trabalho, fato que desafia líderes a enfrentar as lacunas de gerações.

Muitas vezes, uma ajuda profissional é indicada, pois a tarefa de manter a equipe unida, motivada e tirar o melhor de cada um, não é simples.

No ambiente familiar, não é diferente, surgindo vários atritos, como por exemplo:

Pessoas mais velhas enxergam os jovens como inexperientes, arrogantes e displicentes. Por sua vez, os jovens enxergam os mais velhos como ultrapassados e resistentes a mudanças.

Portanto, para uma boa convivência, é essencial entender que as pessoas são diferentes. E, em virtude do contexto em que nasceram, têm razões para agir de determinada maneira.

O diálogo é a melhor forma de chegar ao equilíbrio. Respeito e empatia são a chave para uma convivência mais pacífica.

Caso essa harmonia não seja alcançada, a psicoterapia é uma forma eficiente de alcançar o equilíbrio, enfrentar as dificuldades, o amadurecimento e o desenvolvimento saudável da relação consigo mesmo e com o outro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.