ABPS

Liberdade, espontaneidade e criatividade: o teatro espontâneo no psicodrama 21 dez

Liberdade, espontaneidade e criatividade: o teatro espontâneo no psicodrama

O teatro espontâneo no psicodrama como ferramenta para psicólogos e outros profissionais
O que é Teatro Espontâneo?

Teatro espontâneo é uma modalidade do teatro usada para estimular e desenvolver a espontaneidade e a criatividade. Essa modalidade é utilizada tanto no campo psicoterápico como no campo pedagógico (socioeducacional).

Diferentemente do teatro formal, no teatro espontâneo, desenvolvido a partir do referencial teórico de Jacob Levi Moreno, tanto o texto como a sua representação são criados no decorrer do espetáculo, sem ensaio prévio. 

Em vez de textos predefinidos são utilizados temas que inspiram histórias cotidianas. Assim, essa improvisação possibilita a produção de textos únicos e irrepetíveis.

No teatro espontâneo todos são participantes da criação, atores, músicos, dançarinos, diretores, plateia. O protagonismo se alterna.

Sua aplicação pode promover a sensibilização e reflexão sobre problemas coletivos e individuais de forma livre, inventiva e participativa. 

O teatro espontâneo como base do psicodrama

Mascara de teatro

Criado por  Jacob Levy Moreno, médico psiquiatra, na década de 1920, o psicodrama é resultado da união de seu trabalho clínico de consultório com sua atividade como diretor do que ele mesmo denominou Teatro Espontâneo. 

Moreno, pai do psicodrama e da sociometria, desde muito jovem encontrou na arte teatral o elemento necessário para a saúde mental: a espontaneidade e criatividade presentes nos vínculos por meio dos papéis desempenhados.

Dessa maneira, ele defendia um teatro de todos e para todos indicando, com isso, que as pessoas poderiam assumir o protagonismo no teatro e na vida.

No seu ponto de vista, todos nós somos gênios em potencial e, assim como as obras de artistas consagrados, as nossas histórias cotidianas são também bastante interessantes e merecem ser colocadas em cena.

O teatro espontâneo no psicodrama, visa encontrar respostas para problemas de caráter grupal e social, trabalhar com expectativas e conflitos, e propiciar uma melhor integração dos membros, além de proporcionar o desenvolvimento da espontaneidade e criatividade dos participantes.

Como o teatro espontâneo no psicodrama pode ajudar no dia a dia dos profissionais?

Jacob Levy Moreno, com sua visão clínica, percebeu que tais representações dramáticas sem texto prévio têm a capacidade de produzir mudanças comportamentais nos atores. Descobriu, assim, que poderia dirigir as representações espontâneas para uma finalidade terapêutica.

O teatro espontâneo é a expressão da subjetividade e traz a possibilidade do indivíduo acessar conteúdos emocionais e fazer uma reconstrução através da própria atividade artística.

Essa prática terapêutica pode ser utilizada de forma individual ou em grupo, e possui duas formas de ser aplicada:

Livre  não existe roteiro pré determinado,  a expressão é livre através do canal escolhido; 

Estruturada quando o/a diretor/a observa e avalia determinadas dinâmicas e utilização de materiais que podem ser mais benéficos.

O psicodrama ajuda a entender e resolver conflitos por meio de vários instrumentos, detecta e trata as relações através dos métodos de ação e auxilia na construção de um novo olhar sobre os relacionamentos.

No psicodrama os envolvidos são estimulados a continuar e a completar suas ações, através da dramatização e da auto apresentação dramática. 

Para isso, são utilizadas a comunicação verbal e a não-verbal. As dramatizações tanto se aproximam de situações reais de vida como representam a externalização de processos mentais interiores. 

Utilizando-se do teatro espontâneo, o psicodrama trabalha o falar e o agir dos indivíduos, encontrando respostas adequadas,  identificando e solucionando conflitos. Promove a participação espontânea de todos e estimula a criatividade na representação dos dramas.

O diferencial do psicodrama está na valorização das relações, nas relações horizontais  e no compartilhar das experiências vivenciadas. 

Esse método é destinado também ao tratamento de diversos problemas emocionais e de saúde mental, como ansiedade, angústia, sintomas de pânico e no tratamento de acontecimentos traumáticos.

Na educação o teatro espontâneo é utilizado como recurso didático importante que enriquece o aprendizado. Além disso, auxilia o trabalho do professor nas relações com os alunos, com os pais e com o corpo docente. Transforma a sala de aula num espaço de relação afetiva entre alunos e professores e facilita uma nova visão no desempenho desses papéis.

Essas têm sido as metas do trabalho efetivo feito pela ABPS – Associação Brasileira de Psicodrama e Sociodrama, que desenvolve trabalhos de cunho social através do atendimento psicoterápico realizado em sua clínica escola e em parceria em instituições sociais de saúde e educação.

Além dos cursos de formação e aperfeiçoamento em psicodrama, o Instituto Psicossocial da ABPS oferece psicoterapia a adultos, adolescentes, crianças, casais e famílias, com um custo acessível à população.

Ainda, realiza trabalhos com empresas através de facilitadores de grupo, consultores e mentores preparados para apoiar no desenvolvimento organizacional.

Entre em contato com a gente e conheça o teatro espontâneo no psicodrama e outras abordagens para o seu autoconhecimento e bem-estar. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.