ABPS

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade: o que é? 05 jul

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade: o que é?

O TDAH, Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade que acomete de 3 a 5% das crianças em todo o mundo, tem tratamento e seus impactos são gerenciáveis para quem faz o acompanhamento devido.

O que Bill Gates, Jim Carrey, Michael Phelps e Tatá Wernek têm em comum? Além do sucesso e notoriedade em suas áreas de atuação, esse grupo de personalidades parece ter de lidar com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, ou TDAH. Confirmados ou não, esses exemplos têm a intenção de apontar que, apesar do TDAH, é possível viver uma vida plena, com objetivos traçados e alcançados, se tratado adequadamente.

Mas, afinal, o que é esse Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade?

O TDAH é um transtorno neurobiológico, resultado de uma disfunção de dopamina e noradrenalina que estabelecem as conexões entre os neurônios no córtex pré-frontal, região do cérebro que desempenha um papel fundamental na formação de metas, objetivos e no planejamento de estratégias de ação. É o córtex pré-frontal que seleciona as habilidades cognitivas requeridas para a implementação dos planos, coordena essas habilidades e as aplica em uma ordem correta.

Em pessoas com TDAH, essa atividade do córtex pré-frontal diminui em vez de aumentar quando estimulada, trazendo à tona uma combinação de hiperatividade, impulsividade e déficit de atenção. É por esses sintomas que, em boa parte dos casos, o TDAH é identificado em idade escolar, quando há uma percepção maior das interações relacionadas à atenção e a comportamentos sociais.

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, que costuma aparecer na infância, não impede a pessoa diagnosticada de se tornar um adulto bem-sucedido, apesar de, em mais da metade dos casos, acompanhá-la por toda a vida. Para isso, antes de tudo, é preciso atentar-se aos sintomas:

  • Desatenção;
  • Desorganização;
  • Dificuldade ao gerir o tempo;
  • Dificuldades com regras e limites;
  • Dificuldades de aprendizagem;
  • Dificuldade de relacionamento;
  • Inquietude;
  • Impulsividade;
  • Lapsos de memória (mais na fase adulta).
Como tratar uma pessoa com TDAH?

O tratamento precisa ser multidisciplinar, envolvendo neurologistas, psicólogos, fonoaudiólogos, pedagogos e terapeutas. Pode variar, de acordo com a existência, ou não, de comorbidades ou de outras doenças associadas, como: insônia, falta de apetite, dores abdominais, cefaleia, ansiedade e depressão.

O psicodrama como parte do tratamento para pessoas com TDAH

O psicodrama, por ser uma abordagem que estimula o resgate da espontaneidade-criatividade e de inter-relações transformadoras, saudáveis e profundas, pode representar um caminho eficaz para a recuperação da autoestima, quase sempre comprometida pelos sentimentos de fracasso e frustração vividos pelas pessoas com TDAH, provenientes das dificuldades de lidar com situações rotineiras.

Siga a ABPS nas redes sociais e deixe um comentário para a gente. Inscreva-se para receber nossa newsletter e fique por dentro de nossos conteúdos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.